Marx estava certo sobre o fim do capitalismo?

A simbólica queda do muro de Berlim, o fim da União Soviética, entre outros fatos, levam muitos estudiosos a concluírem que Karl Marx estava errado ao “prever” o fim do capitalismo e  que as teorias por ele propostas não podem ser consideradas científicas.

Continue lendo “Marx estava certo sobre o fim do capitalismo?”

Por que a bíblia?

Por que o cristão acredita que é a bíblia o livro
sagrado e não o corão a torá ou algum outro?

A propósito, faz sentindo a simples existência de um livro sagrado? Essas “instruções” divinas não poderiam ser repassadas pelo próprio “espírito santo”, no caso do cristianismo? Ou, melhor ainda, serem inatas do espírito humano?

Continue lendo “Por que a bíblia?”

Possíveis efeitos da PEC do teto na iniciativa privada

A PEC do teto pode enfraquecer o mercado consumidor e com isso o setor privado também deve sofrer.

Defensores da PEC do teto, que aceitam que saúde e educação são deveres do estado, tendem, em negação, a minimizar os efeitos do congelamento desses investimentos públicos.

Continue lendo “Possíveis efeitos da PEC do teto na iniciativa privada”

O crente é menos inteligente?

O crente não é especialmente menos inteligente que o não crente, mas é especificamente menos inteligente.

Descrevo por “crente” neste post todas as pessoas que creem numa explicação sobrenatural para os grandes desafios da ciência e filosofia.

Mais tecnicamente, o termo está sendo empregado aqui em grande medida como sinônimo de “deísta”.

Continue lendo “O crente é menos inteligente?”

Desconstruindo o conceito de “esquerda caviar”

Basicamente por “esquerda caviar” alguns opositores da esquerda em geral (vou chama-los doravante de “direita”, só pra simplificar) identificam as pessoas que são de esquerda mas vivem uma vida confortável, desfrutando dos benefícios que, na visão da direita, são méritos exclusivos do capitalismo.

Continue lendo “Desconstruindo o conceito de “esquerda caviar””

Considerações genéricas sobre o materialismo filosófico

Tudo o que existe, em última instância, é redutível à matéria. É esta a acepção do termo ‘materialismo’ aqui, conceito que quase sempre é sinônimo de ‘fisicalismo’ (segundo a entrada “physicalism” da Stanford Encyclopedia of Philosophy – em inglês).

Continue lendo “Considerações genéricas sobre o materialismo filosófico”